20100720

Chichén Itzá, México


Deixei crescer uma barba. Não é propriamente uma barba e, sejamos rigorosos, ela está-se nas tintas para o que eu a deixo ou não deixo fazer. Seria então mais correcto dizer que uma nuvem tomou conta da minha cabeça. Quem me vê a passar numa galeria comercial apinhada, olha em redor, receando chuva.
Ultimamente está tão crescida que comecei a tropeçar nela, na barbicha, como eu carinhosamente lhe chamo. Devia-me sentir orgulhoso, mas sinto-me a asfixiar. Ela é agora um arbusto imenso - não - um pinhal manso apertado daqueles que os excursionistas que vêm apreciar as amendoeiras em flor imaginam ocultar o monte onde irão comer qualquer coisa e pendurar as suas camas de rede, durante a tarde.
Como monte que sou, agora, custa-me muito passear até à baixa ou fazer a marginal ao domingo de manhã. Travei conhecimento com uma família de toupeiras que me tratam com muita consideração. Dizem-me que grandes áreas da minha barba (chamo-lhe minha, ainda) estão a ser devoradas pelas chamas e que apenas a zona do bigode foi considerada reserva protegida.
Tudo isto entristece-me profundamente. Nunca me gostei de ver só de bigode.

3 comentários:

Anónimo disse...

Caro Rui,

Estás a dar água pela barba àqueles que se auto-intitulam de escritores, aliás estás a dar-lhes um grande BIGODE...
Parabéns pelas amendoeiras em flor que nos ofereces ...

gabriela r martins disse...

tchiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii ,o enorme problema de no "meio é que está a virtude" ... antes que também ele pegue fogo .... -CORTA!



.
um beijo

rui loureiro disse...

Caro Anónimo,
Agradeço as palavras encorajadoras.