20100802

Xpu-Ha, México - Quando menos se espera, o doutor chama – tranquilizou a recepcionista. O pequeno dardo atingiu o paciente em plenos pulmões. Com uma respiração pesada o imenso vale abateu as suas colinas, permitindo o aluvião. As águas, a perder de vista, imobilizaram-se, esfregando os olhos. Um ardor medonho fez vir ao de cima o que de pior existe nas profundezas. O mal, habituado à sombra, apanhou um escaldão e ruborizou-se como uma nórdica. Atraídos por este modelo de perfeição, homens de toda a terra vieram medir forças. A força maior motivou as gerações mais jovens a dedicarem-se ao ar livre. Apicultores, agrimensores, caçadores de caranguejos, feirantes, jogadores de badminton e outros, multiplicaram-se de tal forma que congestionaram o meio ambiente. Agora só nos resta os extremos.

2 comentários:

Nuno Lamas disse...

Estás um verdadeiro "Chef" da escrita criativa...
Complementas de forma única a imagem ao curto conto. Apesar de curto, o conto deixa-me farto, com jogos de palavras recheadas de significado, fico a ruminar por instantes para saborear cada letra, cada ponto. Está no ponto (ponto)

ângela f. marques disse...

eu tenho que voltar com muito tempo, que é coisa que não tenho tido....:(
mas a partir do dia ., estou cá caída.

obrigada, Rui. um grande abraço